Blogger Template

A Marca INCM

As logomarcas Imprensa Nacional e da Casa da Moeda ao longo dos tempos

Desde cedo se registaram tentativas de construção de uma identidade gráfica das duas empresas que deram origem à imprensa Nacional-Casa da Moeda, ainda que só tarde tenham chegado à fixação.

O logótipo da Imprensa Nacional-Casa da Moeda desde 2010

A Casa da Moeda

No caso da Casa da Moeda (CM), a primeira ocorrência de um ensaio de imagem de marca surge em 1863 e prossegue com amplas hesitações em relação ao modelo.


 


Em 1873, aparece uma imagem no papel timbrado, precursora, também, de uma imagem de marca.


E é no papel timbrado que diversas imagens se vão sucedendo, ao arbítrio do grafismo em moda.



A República traz o escudo para o centro da imagem.



Em 1938, a Casa da Moeda passa a ter no seu nome apenas estas palavras, tendo caído definitivamente em desuso a sua identificação como produtora de papel selado.



A Imprensa Nacional

No caso da Imprensa Nacional (IN), os primeiros esboços desse ensaio têm lugar no papel timbrado. Também com a República, o escudo passa a ter lugar de destaque no grafismo da IN.

O mais aproximado de ideia de logótipo surge inscrito nos vitrais e cadeiral da biblioteca, inaugurada em 1923.

Com a fusão, muda o nome da empresa, juntando num só o das empresas que a constituíram, mas seriam necessários mais 10 anos para que uma identidade gráfica se estabelecesse.

 

A Imprensa Nacional-Casa da Moeda

Fundada em 1972 pela fusão das duas empresas públicas que integram o seu actual nome e um ano mais tarde, a INCM tem, pela primeira vez, um logótipo. O seu designer foi o colaborador da empresa, Valente de Carvalho.

A primeira imagem da marca INCM mantém-se em uso durante quase duas décadas.
Em 1991 é substituída por um novo logo, da autoria do pintor e escultor José Cândido.





A Criação da Nova Marca

Em 2010, a INCM lança um concurso para a criação de uma nova identidade gráfica.

O essencial das transformações formais realizadas é explicado pelo próprio autor-designer que ganhou o concurso para o projecto da nova marca, Eduardo Aires:

Deixamos aqui sublinhados alguns aspectos conceptuais que presidiram à recriação do «logo» da empresa. Antes do mais, a passagem a primeiro plano do próprio nome «INCM». A opção prende-se com o prestígio que a empresa e a sua designação adquiriram, ao saber modernizar-se e responder aos novos desafios da actualidade. INCM é um nome com valor: tradição, confiança, segurança, rigor. É essa relação entre tradição e modernidade que a nova imagem traduz, ao manter elementos essenciais do «logo» anterior, reinterpretando-os no tempo presente, a olhar para o futuro.

E o resultado foi a atual logomarca da Imprensa Nacional-Casa da Moeda, que passou a estar presente em todas as publicações e em todas as peças de comunicação:

O texto completo do racional criativo encontra-se na edição de junho de 2010 do boletim Matriz.

0 comentários :

Enviar um comentário

Mais

Outros