«Assombro», por Pedro Mexia, a propósito da Poesia de Eucanaã Ferraz



in E | Expresso, 03.12.2016


E os textos enchem-se de paisagens portuguesas e de versos portugueses, geralmente postos de pernas para o ar: o poema «ensina a estar em pé» em vez de ensinar «a cair», o «desejo absurdo de sofrer» passa a um «desejo absurdo de nenhum sofrer», e o «transforma-se o amador na cousa amada» assume contextos mais quotidianos, de modo que um «muda-se o amador» diz respeito a uma trivial mudança de casa. Sophia, Eugénio e Gastão são interlocutores constantes, como se a poesia brasileira e a portuguesa voltassem a ser íntimas, como foram num passado não muito distante.
(...)
A variedade de motivos usados faz de Eucanaã Ferraz o menos previsível dos poetas.
(...)
«O que serei de mim quando sair de cena/ o mágico? Que restará do encanto?/ Há de ficar a música de quando?/ Algum espinho? Um ás? O espanto?»

Pedro Mexia,
in E | Expresso, 03.12.2016
https://drive.google.com/open?id=0B1TJkxizP5WuMXczWUQ1MkljTEk

Eucanaã Ferraz
Poesia (1990-2016)
Coleção PLURAL
Imprensa Nacional-Casa da Moeda
2016
618 pp.







0 comentários:

Enviar um comentário