Blogger Template

«Estrada Nacional. A aldeia do poeta é o mundo», por Diogo Vaz Pinto no Jornal i


Montagem sobre ilustração de Óscar Rocha (iOnline)

Texto: Diogo Vaz Pinto

Rui Lage encerra com Estrada Nacional um ciclo poético que das paisagens rurais faz o túmulo doce de um certo país a que dissemos adeus.

O triunfo desta poesia está no golpe nos rins, mais do que no golpe de asa,  pelo modo como nos habitua, como os seus primeiros passos envenenam as expectativas que tivéssemos e as leva a enterrar, para não fazer de ânsias o seu caminho. Para que não lhe perguntem sempre se já chegámos, se é isto a poesia. Pode ser, logo vemos, mas há mais coisas neste mundo que merecem atenção. E mostrando que a coisa aqui se faz, um pouco como insistiu João Cabral de Melo Neto, que a música pode ficar calada, o silêncio também tem gradações, até ritmos, também faz o ouvido: «Eu vi que era possível escrever uma poesia áspera (...) uma poesia que não embalasse o leitor, uma que não fosse um carro a deslizar num pavimento de asfalto, aquela coisa lisa, mas que o leitor – que é carro – passasse em cima de uma rua mal calcetada, em que o carro fosse sacolejado a todo o momento. Uma poesia em que o leitor ao passar de uma palavra para a outra tivesse que pensar».


Pressente-se a morte por desgaste e desgosto de uma poesia que se deixou tolher rente a um registo biográfico, e condescente nisso. De novo emerge um enorme cansaço de toda a moleza que se dobra em sarcasmos. Há um desejo de mais que agressão, ultrapassagem face a uma realidade que cada vez mais embosca, apouca, garante que não há outra via.  

Ler o artigo completo aqui.


Disponivel nas lojas INCM:


https://www.incm.pt/portal/loja_detalhe.jsp?codigo=103030Rui Lage
Estrada Nacional
Coleção PLURAL
Imprensa Nacional-Casa da Moeda
2016











0 comentários :

Enviar um comentário

Mais

Outros