07-05-18 A Voz dos Poetas — Leitura de Poesia de Gomes Leal por Jorge Silva Melo e Manuel Wiborg



Programa: A VOZ DOS POETAS
Textos: Gomes Leal
Leitura de poesia: Jorge Silva Melo e Manuel Wiborg | Artistas Unidos
Local: Biblioteca da Imprensa Nacional
Data: 07 maio 2018
Horário: 18:30 h

Entrada livre limitada à capacidade da sala.

Inserido na atividade de programação geral da Biblioteca da Imprensa Nacional, «A VOZ DOS POETAS» é um ciclo de leitura de poesia de autores publicados pela INCM, com periodicidade bimestral.

A perspetiva do poeta enquanto ser incompreendido e infeliz surge em vários textos de Gomes Leal, composições poéticas em que o sujeito lírico se assume como alguém singularmente distante do comum dos mortais. Não se distanciando da visão romântica do poeta, Gomes Leal define-se como um génio inadaptado à sociedade, num misticismo visionário. Inúmeros são os exemplos desta perspetiva do «poeta proscrito e infeliz», como «Soneto dum poeta morto», «Aquele Sábio», «El Desdichado» e «Noites de Chuva» de Claridades do Sul.

Outra caraterística deste poeta finissecular prende-se com a preocupação que manifesta em relação aos seus leitores, nomeadamente na Nota à primeira edição e acrescentada na segunda edição de Claridades do Sul (1901). Aí debruça-se sobre a tarefa do escritor explicitando que a este compete «trabalhar a sua ideia, lapidá-la, poli-la, desenvolvê-la, facetá-la, de maneira que ela seja como um grande elo em que se vão encatenar um rosário luminoso doutras novas, e que ela saia transformada desse vasto laboratório intelectual, por um processo misterioso semelhante ao que dá a Natureza, transformando da lagarta a borboleta, do carvão o diamante, e da ostra doente a pérola.»

0 comentários:

Enviar um comentário