Imprensa Nacional, a marcar presença na Feira do Livro de Lisboa desde 1972



Chegou ao Rossio em 1930, oriunda de iniciativas privadas. Chamava-se a «Semana do Livro». No ano seguinte, em 1931, passou a ser organizada pela Associação de Classe de Livreiros de Portugal (ACLP), embrião da atual Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL).

Teve como grande impulsionador Ventura Ledesma Abrantes, editor, livreiro e presidente da ACLP. A ideia, importada de Madrid, era de que quem por ali passasse encontrasse a preços acessíveis os bestsellers que os livreiros portugueses tinham para mostrar e vender.
Se a ideia começou logo por receber aplausos, não se livrou das críticas. Na década de 1930 em cada 100 portugueses 70 não sabiam ler. O Diário de Lisboa não foi de modas ao classificar o evento: chamou-lhe ironicamente de «a cerca dos letrados».

Ao longo dos anos os portugueses foram sendo alfabetizados, as editoras juntaram-se aos livreiros, a Feira foi passando por lugares emblemáticos da cidade (nos anos 1980 fixa-se no Parque Eduardo VII), foi alargando as suas atividades e passou a ser local de tertúlias, debates, apresentações de livros, passeios de família... e os 17 expositores de 1931 passaram a 294 em 2018 — ano em que se batem todos os recordes.

A Imprensa Nacional marcou presença na Feira do Livro de Lisboa, pela primeira vez, a 23 de maio de 1972, menos de dois meses antes da criação (por fusão) da Imprensa Nacional-Casa da Moeda e está associada à criação da primeira livraria do Estado, também neste ano:

Com a presença do Chefe do Estado, foi inaugurada, no dia 23 de maio, na Avenida da Liberdade, a 42.ª Feira do Livro, a qual funcionará durante 20 dias. Este certame, de grande projeção no fomento comercial do livro (os descontos atingem 10 e 20 por cento, respetivamente para as edições a sair durante a feira e para as restantes), reúne 78 pavilhões, incluindo os da Câmara Municipal de Lisboa, Junta de Investigações do Ultramar, Fundação Gulbenkian e Imprensa Nacional (Livraria do Estado), esta última presente na Feira pela primeira vez.
in Prelo: revista nacional de artes gráficas,
Imprensa Nacional, Lisboa,
n.º 2, maio-junho de 1972, p.22.

Desde aí, a Imprensa Nacional-Casa da Moeda mantém uma presença regular no evento. Este ano poderá visitar-nos pavilhão B44-B46. E tem excelentes razões para o fazer. Até porque estamos em festa: a editora pública celebra os seus 250 anos! Não vai querer perder, por exemplo, o magnífico catálogo da exposição Imprimere: Arte e Processo nos 250 Anos da Imprensa Nacional, que ilustra e traça a história da produção gráfica em Portugal, desde a Impressão Régia aos nossos dias, da qual a Imprensa Nacional é a protagonista. Nem as nossas novidades! Apareça e venha celebrar o livro connosco!

Imprimere, arte e processo nos 250 anos da Imprensa Nacional
Rúben Dias e Sofia Meira
Fora de Coleção
Catálogo
Maio de 2018
Ler mais

Charles Chaplin, Self-Made-Myth
José-Augusto França
Biblioteca José-Augusto França
Narrativa, Ficção e Crónicas
março de 2018
pp. 182
Comprar aqui

Aula de Natação
Alice Sant' Anna
Plural
Poesia
Maio de 2018
pp. 140
Comprar aqui

Fernando Pessoa – O Menino Que Era Muitos Poetas
José Jorge Letria e João Fazenda
Grandes Vidas Portuguesas
Biografia Infantojuvenil
Abril de 2014
pp. 42
Comprar aqui

Ph. Paulo Nozolino
Sérgio Mah, Rui Nunes, Paulo Nozolino
Série Ph.
Arte e Técnicas
Maio de 2018
pp. 136
Comprar aqui

Sousa Bastos
Paula Gomes Magalhães
Biografias do Teatro Português
Teatro
Março de 2018
pp. 148
Comprar aqui

Novo Atlas da Língua Portuguesa
Luís Antero Reto, Fernando Luis Machado e José Paulo Esperança
Fora de Coleção
Estudos Linguísticos
Fevereiro de 2018
pp. 274
Comprar aqui

O Essencial sobre Mário de Sá-Carneiro
Clara Rocha
Essencial
Estudos Linguísticos e Literários
Fevereiro de 2018
pp. 100
Comprar aqui






0 comentários:

Enviar um comentário