Biografia de José Régio (1901 –1969)



Oriundo de uma família da burguesia provincial, José Régio nasceu em Vila do Conde onde foi batizado com o nome José Maria dos Reis Pereira. Em Coimbra estudou Filologia Românica na Faculdade de Letras. Em 1925 conclui o curso com uma tese subversiva para a época: «As Correntes e as Individualidades na Moderna Poesia Portuguesa». E este foi o primeiro trabalho académico a aplaudir os poetas de «ORPHEU».

Começou por escrever em jornais e revistas. Colaborou nas revistas Crisálida, A Nossa Revista e Bizâncio e Tríptico. Também escreveu para jornais, nomeadamente para O Democrático e República. Mais tarde viria a colaborar em publicações como Seara Nova, Ler, O Comércio do Porto e Diário de Notícias.

Em 1925, publica Poemas de Deus e do Diabo. Na ficção estreia-se com o romance Jogos da Cabra-Cega. Para teatro escreveu Jacob e o Anjo, Três Máscaras e Benilde ou a Virgem Mãe. No campo poético destaque ainda para As Encruzilhadas de Deus de 1943, Fado, de 1941, e Filho do Homem, de 1961. Da ficção de Régio realce para O Príncipe com Orelhas de Burro, de 1942 e o Romance da Velha Casa. Memorialista, José Régio escreveu também Confissões de um Homem Religioso.

Juntamente com Branquinho da Fonseca e João Gaspar Simões, Régio esteve na génese da revista literária da Presença, que fundou, em 1927, publicação que duraria 13 anos e que veio a contar com nomes enormes das letras nacionais, como é o caso de Miguel Torga. Uma revista que foi considerada como um marco da segunda fase do modernismo português .

A par da sua atividade como crítico literário, poeta, romancista e dramaturgo dedicou-se à carreira liceal, primeiro no Liceu Alexandre Herculano, no Porto, depois no Liceu de Portalegre, onde permaneceu até se reformar, em 1962.

José Régio faleceu a 22 de dezembro de 1969 na terra onde nasceu, Vila do Conde, vítima de um ataque de miocárdio.
A sua obra essa ocupa hoje um lugar de destaque literatura portuguesa do século XX — Régio captou na perfeição o dramatismo da condição humana, em todas as suas idiossincrasias e contradições, entre todos os seus estados de graça e todos os seus vórtices. É um dos autores que tem as suas obras completas publicadas pela Imprensa Nacional.


Obras publicadas pela Imprensa Nacional:

Ensaios de Interpretação Crítica
José Régio
Obra Completa de José Régio


Obra Completa de José Régio - Correspondência com Álvaro Ribeiro
José Régio e Álvaro Ribeiro
Obra Completa de José Régio


Correspondência com José Régio
Vitorino Nemésio
Obras Completas de Vitorino Nemésio


Contos e Novelas
José Régio
Obra Completa de José Régio


Obra Completa de José Régio - Correspondência com Vitorino Nemésio
José Régio
Obra Completa de José Régio


Jogo da Cabra Cega
José Régio
Obra Completa de José Régio


José Régio - Teatro - Vol. I
José Régio
Obra Completa de José Régio


José Régio - Teatro - Vol. II
José Régio
Obra Completa de José Régio


Poesia - Poemas de Deus e do Diabo; Biografia; As Encruzilhadas de Deus; Fado
José Régio
Obra Completa de José Régio


A Velha Casa - Vidas são Vidas
José Régio
Obra Completa de José Régio


A Velha Casa - As Monstruosidades Vulgares
José Régio
Obra Completa de José Régio


A Velha Casa - Os Avisos do Destino
José Régio
Obra Completa de José Régio


A Velha Casa - Uma Gota de Sangue - As Raízes do Futuro
José Régio
Obra Completa de José Régio


Confissão dum Homem Religioso
José Régio
Obra Completa de José Régio




0 comentários:

Enviar um comentário