«Contemplar o Paraíso: o Jardim de Santa Cruz de Coimbra (do século XVIII ao século XXI)»



Coimbra, esta fantástica e encantada cidade, tem nos seus jardins uma marca indelével da sua identidade e urbanidade. Os nossos jardins são um bem cultural e ambiental que devemos saber preservar, promover e valorizar.
O Jardim de Santa Cruz, em particular, também conhecido por Jardim da Sereia, erigido originalmente no seio da clausura dos monges crúzios, no século XVIII, viria a influenciar o imaginário de várias gerações de homens e mulheres, em Coimbra, sendo, hoje, um jardim aberto à cidade, um espaço de lazer, de cultura e de desporto.
Registar em livro as origens históricas deste espaço natural, de beleza excecional, a par com a sua especificidade artística, e de modo que se amplie o seu conhecimento e se aprofunde a sua relação com os cidadãos, munícipes e visitantes de Coimbra, é o objetivo fundamental desta obra.
p. 9


Contemplar o Paraíso: o Jardim de Santa Cruz de Coimbra (do século XVIII ao século XXI)
Marco Daniel Duarte
Fora de Coleção
Outubro de 2017
160 pp.

0 comentários:

Enviar um comentário