No dia 18 de outubro ouça os Solistas da Orquestra Metropolitana na Biblioteca da Imprensa Nacional




A Temporada Música de Câmara 2018/2019 na Biblioteca da Imprensa Nacional abre com Lembranças e Elegias pelos Solistas da Orquestra Metropolitana de Lisboa.

Esta quinta-feira, dia 18 de outubro às 18h30, pode ouvir Janete Santos na flauta, Joel Vaz no oboé, Jorge Camacho no clarinete, Lurdes Carneiro no fagote e Rodrigo Carreira na trompa.


O programa:
F. Lopes-Graça Sete Lembranças para Vieira da Silva, LG 82
E. Carrapatoso Cinco Elegias, Op. 11
L. Tinoco Light-Distance
C. Nielsen Quinteto, Op. 43

A entrada é livre.


Fernando Lopes-Graça nunca esqueceu a hospitalidade com que Maria Helena Vieira da Silva e Arpad Szenes o receberam durante um curto período na sua casa em Paris. Foi aí que o compositor tomarense encontrou um primeiro refúgio, assim que em 1937 se viu livre da Prisão do Forte de Caxias. O rebentar da Guerra obrigou-o a regressar a Lisboa dois anos e meio mais tarde, ao passo que o casal de pintores partiu para o Brasil. Mas aquela primeira memória traduziu-se em música três décadas mais tarde, numa partitura intimista escrita para Quinteto de Sopros. Esta formação, que junta à flauta, o oboé, o clarinete, o fagote e a trompa, dispõe de um leque de repertório extraordinário, em particular no que respeita à extensão e diversidade, mas também à qualidade. Às Sete Lembranças, juntam-se neste programa mais três obras que são bom exemplo disso. Desde logo, Cinco Elegias de Eurico Carrapatoso, uma obra composta em 1997 e onde cada andamento destaca um daqueles instrumentos, em simultâneo com a homenagem a grandes vultos da História da Música mais recente: Bartók, Tailleferre, Webern, Messiaen e Stravinsky. Já em 2000, Luís Tinoco também dividiu a obra Light-Distance em cinco andamentos, num exercício criativo que projeta os conceitos de Luz e Distância na infinita dimensão do som. Por fim, recuamos a 1922, com a última composição de câmara – e a mais conhecida – do dinamarquês Carl Nielsen. Trata-se aqui, literalmente, de uma obra de grande fôlego, plena de frescura e imaginários vibrantes
www.metropolitana.pt

0 comentários:

Enviar um comentário