«Poesia (1916-1940)» inaugura a nova coleção «Obra Completa de Vitorino Nemésio»




Já saiu do prelo o primeiro volume da renovadissíma coleção «Obra Completa de Vitorino Nemésio», publicada pela primeira vez, na Imprensa Nacional, ainda na década de 1980. Esta nova edição é agora edificada pela editora pública em parceria com a editora livreira independente Companhia das Ilhas, e conta com a coordenação editorial do académico e também nemesiano Luiz Fagundes Duarte.

Poesia (1916-1940) é o volume inaugural. «Nemésio escreveu e publicou poesia durante toda a sua vida: começou aos 15 anos — com o Canto Matinal (1916) —, e terminou aos 76 — com o Caderno de Caligraphia, em que trabalhava quando faleceu a 20 de fevereiro de 1978. Por ele passam, portanto, muitas das ideias estéticas que enformaram a poesia portuguesa do século XX, no seio da qual, no entanto, conseguiu manter uma voz e uma postura muito próprias, combinando de um modo seguro, mas subtil, a erudição do académico com a genuinidade da inspiração de matriz popular açoriana», escreve Luíz Fagundes Duarte, na sua Nota Editorial.

A coleção está estruturada em quatro séries: Poesia, Teatro e Ficção, Crónica e Ensaio. Esta é uma forma de mostrar a obra ampla e multifacetada que Vitorino Nemésio deixou. A ideia é criar uma «coleção simples, sem aparato, rigorosa do ponto de vista do texto e que seja agradável para um público que não está — nem tem de estar — habituado a ler edições eruditas», referiu Luiz Fagundes Duarte em entrevista concedida à PRELO, em julho de 2018.

Da poesia de Vitorino Nemésio serão ainda editados mais três volumes - Poesia (1950-1959), Poesia (1963-1976) e Poesia Póstuma e Dispersa. «Na poesia seria interessante ver a maneira como ele vai reagindo aos estímulos do tempo, ver isso de livro para livro», refere Luiz Fagundes Duarte nessa mesma entrevista.

O presente volume, por critério editorial, encontra-se dividido em duas partes: Poesia (1916-1930) e Poesia (1935-1940).

Já o próximo volume será dedicado ao Teatro e Ficção com o volume Amor de Nunca Mais (1920) Paço do Milhafre (1924) seguido de O Mistério do Paço do Milhafre (1949).

0 comentários:

Enviar um comentário