Conheça a cultura portuguesa em negativo | Apresentação do «Dicionário dos Antis» | Dia 12 de dezembro | BNP



É já próxima quarta-feira, dia 12 de dezembro, pelas 18h00, no Auditório da Biblioteca Nacional de Portugal, em Lisboa, a sessão de lançamento do Dicionário dos Antis - A Cultura Portuguesa em Negativo.

Publicado pela Imprensa Nacional, em dois volumes numerados e rubricados, o Dicionário dos Antis - A Cultura Portuguesa em Negativo será apresentado por António Costa Pinto, Eduardo Vera Cruz, Guilherme d’Oliveira Martins, Luís Caetano e Ricardo Araújo Pereira.

Palavras como «antissemitismo», «anticlericalismo», «antiterrorismo», «anticonstitucionalismo», «anticamonismo», «anticharlatanismo», «anticientismo», «anticristianismo» ou «antiarte» são palavras negativas mas que fazem parte da nossa história. Porque, afinal de contas, o negativo também faz história, também faz cultura, e por isso não devemos desconsiderá-lo.

O Dicionário dos Antis é uma obra ilustrada, em dois volumes, que procura precisamente sistematizar todas as correntes e discursos centrados numa perceção negativa do «outro» na história de Portugal, desde o século XII até à atualidade.  O estudo destas palavras  permite construir a forma como a cultura portuguesa percebeu e criou diferenças.

O Dicionário dos Antis procura portanto apresentar a história da cultura numa imagem em «negativo», respondendo a uma carência concreta da historiografia portuguesa e europeia, não existindo até agora nenhum trabalho de investigação semelhante.

Conta com a direção de José Eduardo Franco e com os contributos de inúmeros estudiosos como Adelino Cardoso, Aida Sampaio Lemos, Carlos Fiolhais, Pedro Barbas Homem, Ricardo Ventura. Helena Mateus Jerónimos entre muitos outros.

«Esta é uma obra singular, rara e inesperada no panorama editorial do nosso país e, inclusivamente,
a nível internacional. (...) O Dicionário dos Antis constitui-se como uma espécie
de história da cultura portuguesa, olhada do ângulo dos dinamismos de oposição e de contradição,
que permite compreender-nos a partir de uma perspetiva inabitual, abrindo caminhos
de perceção da “diferença”, de uma forma inovadora, mais abrangente e mais complexa.».
Duarte Azinheira, da Apresentação

«A originalidade do dicionário que o leitor tem entre mãos consiste em observar as práticas
sociais de hoje e as suas representações em comportamentos e argumentações muito
mais antigos. E porque não desde a aurora da humanidade? (...) Ao longo das suas muitas
páginas, este dicionário manifesta a extraordinária conexão de Portugal com a história do
mundo. (...) Não há dúvida, por outro lado, de que o Dicionário dos Antis vai suscitar um vasto
debate internacional. (...) Não estamos em altura de denunciar este ou aquele grupo, mas de
entrar no laboratório do pensamento dialético, que é uma maneira de estimular o espírito
crítico quando o falso, o virtual e o verdadeiro se misturam; que é pôr em causa os erros conspirativos
e as certezas abusivas deste mundo dividido entre manipulação e informação que se
tornou o nosso.»
Fabrice d’Almeida, do Prefácio


Como chegar à Biblioteca Nacional de Portugal

Campo Grande, n.º 83

1749-081 Lisboa

Portugal


Autocarros:

207 / 701 / 727 / 736 / 738 / 744 /

749 / 783


Metropolitano:

Entrecampos (200m)

Cidade Universitária (500m)


Comboio:

Estação de Entrecampos (500m)


Táxis

Pç. de Entrecampos (200m)


Estacionamento

O parque da BNP é público e está sujeito a pagamento


Coordenadas GPS

Latitude:38.751105

Longitude : -9.152584

0 comentários:

Enviar um comentário