Edições Gratuitas | Vol. II da Série V de «O Arqueólogo Português» já disponível para download



Imprensa Nacional e Museu Nacional de Arqueologia unem-se, de novo, para participar em mais uma verdadeira missão de serviço público. Todas as sextas-feiras disponibilizam no site de ambas as instituições, de forma gratuita e partilhável, um volume da centenária revista O Arqueólogo Português.

Na sexta-feira passada ficou disponível o volume I da Série V.

Hoje fica acessível o Vol. II da Série V, de 2011. (clique aqui para ler e descarregar)

Recorde-se que a relação entre o Museu Nacional de Arqueologia e a Imprensa Nacional remonta ao final do século XIX.

José Leite de Vasconcelos (1858-1941), o sábio que não só gizou o Museu como foi o seu primeiro Diretor, era um autor prolixo do catálogo da Imprensa Nacional.

Daí que facilmente se compreenda que a revista oficial do Museu Etnográfico Português — essa foi a denominação original do Museu Nacional de Arqueologia — fosse editada pela Imprensa Nacional, a editora do Estado. O Arqueólogo Português é uma revista prestigiada em Portugal e na Europa, espécie de repositório da Arqueologia e uma das mais antigas da Europa do seu género em continuidade de edição. O primeiro número foi publicado em janeiro de 1895.

Estamos em crer que, além desta razão histórica que liga as duas instituições, a conjuntura atual do País aconselha a necessidade de interajuda entre organismos públicos. Uma consciência comum sobre esta equação aproxima as duas entidades, criando sinergias para uma profícua colaboração. Desta forma, a parceria entre a Imprensa Nacional e o Museu Nacional de Arqueologia renova-se e consolida-se com um objetivo muito especifico: disponibilizar vários volumes desta revista de grande qualidade académica e científica, e de inegável interesse, para chegar junto de diferentes tipos de públicos, permitindo-lhes encontrar também nos domínios da Arqueologia e da História material de referência a reflexão especialmente necessária neste intenso e incerto momento histórico que vivemos.

0 comentários:

Publicar um comentário